Pesquisar

Livro: O Duque e Eu
Autora: Julia Quinn
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Classificação: 4/5

Que os romances de Julia Quinn são ótimas leituras quando você precisa se entreter, não é novidade.
Apesar de não relatar fielmente o contexto histórico e social de 1800, a série Os Bridgertons consegue capturar a essência dos relacionamentos e da Sociedade, portanto, se você não suporta livros em que os homens são "superiores" às mulheres, e em que a principal vocação e objetivo das mulheres seja casarem-se com homens de prestígio social e formarem uma família, feche esta página e jamais aproxime-se da série escrita por Julia Quinn.
Se, entretanto, você tem uma queda por guilty pleasures e não se importa em dedicar algumas horas do seu dia para ler romances de época, porém clichês, e dar boas gargalhadas, acompanhe este post até o fim.
"Ela queria se casar, de fato queria, e não estava sequer sonhando com um amor verdadeiro. Mas desejar um marido por quem tivesse ao menos um pouco de afeição era pedir muito?"
Os Bridgertons é uma série escrita por Julia Quinn, retratando tanto a Sociedade Britânica quanto os casamentos (polemizando ainda mais a questão: a vontade de casar-se por amor, já que a prática não era comum na época). Essa série acompanha a vida amorosa dos oito filhos de Violet Bridgerton: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth - cada livro é dedicado a narrar o relacionamento amoroso do Bridgerton em questão e o enredo também é alimentado pela coluna de fofocas de Lady Whistledown - uma jornalista anônima que com suas observações mordazes introduz os capítulos.
"O Duque e Eu" é o primeiro livro e único fora da ordem, por narrar a história da quarta filha de Violet - Daphne - e, como mencionado no título, o Duque de Hastings.
- Tem certeza? - perguntou, falando num suave sussurro.
Ela assentiu, com a expressão estranhamente neutra.
- Você vale a pena.
Daphne Bridgerton não é nova na Sociedade. Está na sua segunda temporada e apesar de possuir a beleza e o prestígio social dos Bridgertons - uma das famílias mais admiradas e cobiçadas das Ilhas Britânicas -, só recebeu quatro propostas de casamento e, infelizmente, nenhuma despertara o mínimo interesse nela. Longe de ser uma jovem temperamental, seu problema com os homens era ser querida demais, tornar-se amiga de quem deveria cortejá-la, e assim não ser classificada como uma possível pretendente.
Já Simon Basset é o oposto. Rejeitado pelo pai devido à sua gagueira, o filho do nono Duque de Hastings não conhecera a sua mãe e passara a maior parte de sua vida provando ao pai que não era um idiota (a outra parte dedicava-se a odiá-lo). Além disso, era o que todos chamavam de libertino: um homem sem escrúpulos, conquistador, avassalador até. Apesar de sua posição social após a morte de seu pai, ainda era temido pelas mães casamenteiras devido à sua péssima reputação.
Entretanto, quis o destino que Daphne e Simon se conhecessem em um baile e firmassem um acordo: fingiriam estar envolvidos a fim de atrair pretendentes para a Bridgerton e poupar o libertino de mães desesperadas por casar suas filhas.
Dizer que os homens podem ser teimosos como mulas seria um insulto às mulas.
Crônicas da Sociedade de Lady Whistledown
Como já devem imaginar, não demora muito até que sua amizade e falso envolvimento torna-se algo mais, e logo Simon tem de questionar suas escolhas - para alguém que prometera jamais casar-se ou ter filhos, Daphne era a maior exceção à regra. E como se isso não bastasse, também era irmã de seu melhor amigo... Apaixonar-se por ela iria totalmente contra os ideais de Simon, mas quem poderia controlar seus sentimentos?
Sendo este o livro que nos introduzirá a todos os demais sete Bridgertons - logo, mais sete livros -, O Duque e Eu acaba explorando o relacionamento de Daphne com a família e também as regras de etiqueta da época. Como já dito, casar-se por amor era um luxo que poucos podiam ter, mas pelo rumo da escrita de Quinn, não nos depararemos com casamentos arranjados tão cedo!
- Por favor, não vá embora. Ele foi embora. Todos foram embora. Então eu fui embora. - Ele [Simon] apertou a mão dela [Daphne]. - Você tem que ficar.
Digno de provocar boas gargalhadas e encantador, "O Duque e Eu" pode e deve ser lido em poucas horas. Apesar de ser um livro superficial e sem grandes surpresas, ele retrata a vida conjugal e alguns costumes da época, além de deliciar o leitor com o humor e os diálogos inteligentes da autora.

Daniele Almeida.


Deixe um comentário