Pesquisar

Ei pessoal! :)
Cabeça de vento como sou, acabei não postando o post de Março - e quando percebi, estávamos caminhando para o fim de Abril, e devo confessar que esse último mês foi completamente focado em séries e estudos. Logo, acabei não assistindo muitos filmes (apesar de ter visto 'Across the Universe', 'Fast&Furious', 'Os vingadores - A Era de Ultron' e amado cada segundo!)
De certa forma, março também foi um mês fraco para filmes. Fui ao cinema apenas duas vezes (Sniper Americano, cuja resenha ainda será postada, e Insurgente) e assisti, ao todo, dez filmes, estando entre eles "Os Miseráveis" e "Bonequinha de Luxo" (sim! Eu assisti Os Miseráveis! Ainda não acredito que consegui passar quase quatro horas focada em uma tela xD)
Sendo assim, resolvi trazer entre os cinco filmes de Março produções já resenhadas ou "antigas". Optei por deixar "Bonequinha de Luxo" e "Os Miseráveis" e demais filmes de Abril citados anteriormente de fora porque pretendo fazer posts individuais em um futuro próximo.
Sem mais delongas, vamos aos sete filmes assistidos (e resenhados) em março e abril:


1 - Begin Again (BR: Mesmo Se Nada Der Certo).     5/5

Ainda não acredito em como demorei para assistir a um filme que contém três dos meus elementos hollywoodianos favoritos: Adam, Keira e musica. "Mesmo se nada der certo" conta a hist´roia de Gretta, Dave e Dan e quem são ao serem engolidos pela barulhenta New York e sua incessante música. 
Após ser decepcionada por Dave, que deixou toda a sua vida para trás pelo estrelato, Gretta acaba conhecendo Dan, um produtor musical que acabara de ser expulso da gravadora que ele mesmo construiu. Juntos, eles decidem aproveitar o que Nova York tem a oferecer e investem nas canções de Gretta, iniciando uma jornada genial e um filme que transpira acordes e melodia. 
Como a Talita comentara em seu review original (confira aqui), "Begin Again" transmite a ideia de ser uma comédia romântica, porém é um filme que não pode ser classificado. 
A trama combina com todos os elementos que tornam um filme inesquecível e acrescenta um toque de "vida real" e humanização ao enredo. Sem se focar no romance, "Mesmo se nada der certo" é um filme que faz com que você queira pegar a estrada com nada além de um bloco de anotações e um violão.
É simplesmente inesquecível.

2 - O diário de uma babá.    2/5
Leitores e leitoras de toda a cybernet, vocês acreditariam se eu dissesse que nunca assisti "O diário de uma babá", por mais que ele seja um dos queridinhos da Sessão da Tarde e de alguns canais pagos? Acontece que esta é a mais simples e sincera afirmação. E lógico que, curiosa como sou, tive que conferir o filme em que (minha queridíssima) Scarlett está morena.
Annie Braddock finalmente deu a volta por cima e, apesar de ter sido abandonada pelo pai e por ser de origem humilde, conseguiu ser formar em economia (o que prometia uma carreira de sucesso uma vida independente e lucrativa). Entretanto, ela ainda não sabe quem é e, em meio a uma epifania, acaba mentindo para a sua mãe, se mudando para a parte nobre da cidade e ganhando um emprego de babá; não necessariamente nessa ordem.
E como diriam todas as mães do mundo: "tudo o que começa de forma errada, termina de forma errada."-- o que, na verdade, é o resumo da desastrosa e mais importante experiência de Annie.
Como comentado no começo dessa pseudo-crítica, "O diário de uma babá" é um filme característico de sessão da tarde; possuindo um toque de comédia, romance, "lição de moral" e fantasia. Para pessoas que, assim como eu, já passaram dessa fase, pode ser um tanto bobinho.
Comentários formais a parte, quem diria que a Viúva Negra e o Capitão América já se pegavam a tanto tempo? hehe!

3 - Sniper Americano.     5/5
Como todo garoto do Texas, Chris Kyle queria ser um cowboy. Entretanto, sentia que estava destinado a mais do que viagens em cada fim de semana e relacionamentos infrutíferos. Com esse sentimento e o ataque aos Estados Unidos, Kyle acaba juntando-se aos SEALS e, logo após seu casamento, entra em ação contra o Iraque.
Baseado em uma história real, "Sniper Americano" retrata a vida de Chris Kyle, o atirador mais letal da história dos Estados Unidos. Essa produção retrata a vida de um homem que tinha grandes responsabilidades para com seu país e sua família - e o modo como os dois lados se confrontam ao longo das duas horas de filme é intenso e brilhante.
Demonstrando que nem todos os títulos trazem honra à pessoa, "A Lenda", como Chris é conhecido, acaba se mostrando um homem com grande instinto de sobrevivência e proteção para com seus aliados. 
Real e vívido, "Sniper" conquista um pedaço de cada telespectador. Bradley Cooper se superou em sua atuação e conseguiu expressar, pelo olhar, quanta culpa e dor um homem pode carregar e quão fácil é para se perder de si mesmo em meio ao campo de batalha.
Para alguém que não gosta de filmes de guerra, Sniper conseguiu arrancar aplausos e lágrimas desta blogueira que vos fala.

4 - Whiplash.     5/5
Whiplash - também nome de uma conhecida música de jazz - conta a história de Andrew (interpretado muito bem por Milles Teller), um baterista que sonha em ser o melhor de sua geração, tendo seu nome marcado na História.
Estudante da Shaffer, o melhor conservatório de música dos Estados Unidos, Andrew acaba chamando a atenção do impiedoso e admirado Terence Fletcher, entrando para a orquestra principal. 
Estretanto, conforme passa a interagir com a personalidade tirana de seu maestro, Andrew acaba passando por um longo e agressivo processo de deterioriação física e mental, como se cada música cosumisse toda a sua sanidade, substituindo-a por uma ambição desenfreada. 
Intenso desde o primeiro instante, "Whiplash" é o tipo de filme cujos defeitos passam despercebidos devido à sua grandiosidade. 

PS.: Assim como em "Begin Again", a trilha sonora é parte da atuação. A música é, literalmente, o ponto de partida e chegada da trama, estando presente em cada cena do filme. No entanto, se você espera por algo suave e melódico por se tratar de jazz, não assista ao filme.
A produção de Damien Chazelle é vibrante ao ponto de confundirmos intensidade com insanidade.

5 - Loucas Pra Casar.     2/5
Atire a primeira pedra aquele que, ao assistir ao trailer, pensou que esta fosse uma comédia romântica em que três mulheres abdicariam de seu amor próprio e orgulho por um homem (de forma bem humorada, é claro). Eu mesma adiei ao máximo assistir ao longa-metragem por causa deste mesmo julgamento, vez que considero a ideia repulsiva. No entanto, o filme faz jus ao título de outra forma - um tanto paradoxal e genial, sem fazer nenhum paralelo com a comédia.
Logo, apesar de achar que o filme poderia ser melhor produzido, que os diálogos são pobres e o potencial do elenco inexplorado, preciso admitir que o enredo é surpreendente e não alienante. 
Este não é um filme em que um homem cobiça e engana várias mulheres; mas sim, um em que várias mulheres, dentro de um mesmo corpo, se enganam por um homem.

6. Mary, Queen of Scoots.      3/5
 Todos já ouviram falar da Rainha da Escócia que acabou presa em meio à batalha entre o catolicismo e o protestantismo com a própria prima, Rainha Elizabeth da Inglaterra. Maria Stuart governou três reinos, teve três maridos e morreu antes que pudesse começar a viver.
Você não pode deixar de ser uma Rainha. Não quando seu futuro fora decidido ao nascer.
Deixando a ficção criada em Reign [série de TV] de lado, esta versão cinematográfica criada em 2013 conta toda a história de Mary, narrando sua versão dos fatos em uma carta destinada à própria prima, em que o seu perdão e compreensão são os principais temas. Afinal, ambas não puderam escolher a quem seriam leais.
Retratando os costumes e tradições da época, "Mary" é um filme sem censuras e sem qualquer ligação com a modernidade, resgatando todos os traços arcaicos.
Entretanto, apesar de bem produzido, a obra deixa a sensação de que está faltando algo. É como um vazio, com a falta de emoções e o final evasivo.
Além do mais, o filme repassa a ideia de que Maria era uma jovem ingênua, mimada e preocupada com sua fé, não com a política.

7. Amigos, amigos, mulheres a parte.     4/5
Quer chorar de rir em cem minutos? Assista a esse filme!
O longa estrelado por Kate Hudson retrata a história de Tank, um "canalha profissional": ele é pago para assediar e decepcionar garotas a fim de que elas voltem com seus ex (e entediantes) namorados, chegando a ser conhecido por toda a cidade pela população masculina.
É desta mesma forma que ele encontra Alexis, ex-namorada de seu melhor amigo. E também o modo como se apaixona por ela e acaa quebrando não uma, mas várias de suas regras. Determinado a ser melhor por ela e a fazer com que ela assuma um relacionamento sério (o mundo dá voltas, não?), Tank terá que passar por cima de seu segundo emprego, sua moral e todas as suas regras da sedução.
Queria assistir a essa comédia romântica há muito tempo, e só tenho a me arrepender por não ter dado uma chance antes! Elenco, produção, trilha sonora, romance e comédia impecáveis!
Daniele Almeida.


2 Comentários

  1. Ah, eu ainda não assisti 'Loucas pra casar'... estou vendo se encontro um tempinho pra isso' kkk
    Amigos, amigos, mulheres a parte é ÓTIMOOOOOOOOOOOOOOO ' haha super indico..
    E fiquei muito curiosa para assistir Sniper Americano *-------------*

    bjs ♥
    www.eduardalins.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista Sniper Americano, é só o que tenho a lhe dizer *------* sou uma pessoa muito água com açúcar quando se trata de filmes, porém tanto o enredo quanto a produção de SA me conquistaram!

      Beijos! ♥

      Excluir