Pesquisar

 Quem é melhor: livro ou filme?

Não é de hoje que a batalha entre livros e filmes existe. 
Seu ápice normalmente se dá com o lançamento de adaptações literárias, coisa que tem se tornado frequente já que, ultimamente, todo bestseller é transformado em filme (realizando o sonho de diversos leitores. Afinal, já pensou ter a mesma história em livro e DVD? Paraíso!). 
Entretanto, nem tudo são flores. Lidar com adaptações literárias é um trabalho complexo e requer grande "jogo de cintura", vez que os fãs costumam acompanhar o desenvolvimento do projeto pelas mídias sociais e, vez em sempre, dar palpites -- que nem sempre são muito gentis.
Quando você lê um livro, a sua imaginação se liberta. Você sempre formará uma imagem ideal para as personagens da história: cor do cabelo, expressão facial, postura, altura, tom de voz... Tudo. Você criará mil e uma expectativas, montará cenários em sua própria cabeça e, vez ou outra, trará alguns diálogos para a vida real. 
Resumidamente: Você terá a sua versão "perfeita" da história. Um enredo, direção e desenvolvimento próprio. No entanto, isso é algo presente na sua imaginação, e o "alcance" de suas ideias ficará somente entre seus amigos mais próximos ou leitores (caso você escreva alguma fanfic sobre a história). 
Logo, ao escolher adaptar um livro, os diretores e roteiristas não tem a mínima noção do que você idealizou. E como vivemos em um mundo capitalista, eles reescreverão diversas vezes a mesma história de forma que misture a visão deles e a visão geral do público alvo.
Eles tentarão complementar e tornar a história o mais visual possível, já que se trata de um longa-metragem. Investirão em efeitos e na dinamização das cenas. Os pensamentos dos personagens não serão conhecidos, e os telespectadores não saberão as suas ideias a não ser que as expressem em voz alta. 
Nem tudo o que está no livro, estará no filme. 
Adaptação: s.f. Ação de adaptar; resultado desta ação.
Transposição de uma obra literária para o teatro, televisão, cinema etc.: este filme é adaptação de um romance antigo.
Arranjo, adequação de uma obra estrangeira que, além da tradução, implica modificações do texto original.
Adaptação literária não é a mesma coisa que "xerox". Não é de hoje que vejo diversas pessoas avaliando um filme com base no livro - muitas delas sendo blogueiros. 
Eles desconsideram os efeitos, o talento dos atores, a produção, o roteiro, o dinamismo e se concentram apenas nas comparações entre as obras. Isso é errado. 
Como visto acima, adaptar é transpor, adequar, modificar/ajustar uma obra sem alterar suas raízes. Alterações são inevitáveis, já que os recursos utilizados por escritores e diretores divergem entre si. Nem mesmo roteiristas analisam e montam uma história da mesma forma que os escritores, apesar de terem um mesmo objetivo e serem colegas de turma.
O que devemos saber diferenciar é um bom filme de uma boa adaptação. A fidelidade está corrompida? Sim. Mas avalie o filme em si, e esqueça que, em algum lugar, alguém escreveu esta história anteriormente. Avalie a produção e o jogo de cenas: ela é boa? Extremamente bem produzida? De cair o queixo? Então não desmereça a produção por não ser aquilo que você pensou.
Se vocês repararem, evito ao máximo fazer posts duplos no blog. Quando analisamos um livro e, logo abaixo, sua adaptação as comparações são inevitáveis - e esta não é a atitude que escolhi ter ao criar o "Um Livro&Eu". Se o nosso intuito é falar sobre a arte, falaremos sobre arte - mas respeitando e valorizando cada uma individualmente, e não desvalorizando-as ou "escolhendo" um lado.
Logo, se você rejeitou diversos filmes porque não eram aquilo que você imaginava, reveja seus conceitos. Abra a sua mente e os assista novamente; você poderá se surpreender com o resultado. 
Daniele Almeida.


Deixe um comentário