Pesquisar

Livro: O Alienista.
Autor: Machado de Assis.
Páginas: 64
Editora: Ciranda Cultural
Classificação: 5/5

Simão Bacamarte é um renomado médico que, com suas práticas, conquistara a Metrópole, a Espanha e o próprio Brasil. No entanto, apesar de seu empenho e reconhecimento, decide retornar a Itaguaí - "A ciência é o meu emprego único; Itaguaí é o meu universo" - e dedicar-se ao estudo da psicologia, uma área da ciência praticamente inexplorada.
Sua chegada àquele município excitou aos moradores, que viram o Dr. construir ali uma vida, passando mais tempo em meio aos livros do que com a nova esposa, D. Evarista. A fascinação que Bacamarte provocava era tamanha que conseguiu o apoio do próprio Governo, abrindo, assim, a Casa Verde - um edifício em que ficariam reclusos todos os loucos de Itaguaí.
No entanto, com o passar do tempo, Bacamarte acaba recolhendo não somente pessoas com explícitos distúrbios mentais, mas também aqueles que apresentavam alguma obsessão - como, por exemplo, alguém que ficara rico e emprestara todo o seu dinheiro sem exigi-lo de volta; ou mesmo um homem que passava suas tardes admirando sua própria casa -, gerando a revolta do povo, que passaram a ter amigos e familiares presos a mando do médico.
Seu ápice é desenvolvido a partir do momento em que Bacamarte recolhe sua própria esposa à Casa Verde, incitando diversos movimentos contra suas práticas e oposições em seu próprio pensamento.
"Imagem vivaz do gênio e do vulgo! Um fita o presente, com todas as suas lágrimas e saudades, outro devassa o futuro com todas as suas auroras."
"O Alienista" é um conto brasileiro que apresenta uma linguagem simples - se comparada à escrita machadiana -, porém repleta de antíteses e humor, criando uma crítica ao cientificismo - teoria que defendia que tudo poderia ser explicado pela ciência.
Com sua escrita, Machado de Assis incita o leitor a refletir sobre a loucura e suas paredes. Afinal, no decorrer da história, Simão Bacamarte passa a cultivar em si os mesmos critérios pelos quais recolhera grande parte da população de Itaguaí - detalhe explorado nos últimos capítulos desta obra.
Caracterizando-se por possuir leitura rápida e um tema frequentemente abordado por Assis, "O Alienista" nos remete a uma análise psicológica e crítica social, nos induzindo a reavaliar os padrões atuais. Além do mais, é um excelente meio de quebrar o preconceito e medo da escrita machadiana, adquirido pela imposição de suas obras em escolas e faculdades.
"Suponho o espírito humano uma vasta concha, o meu fim, Sr. Soares, é ver se posso extrair a pérola, que é a razão; por outros termos, demarquemos definitivamente os limites da razão e da loucura. A razão é o perfeito equilíbrio de todas as faculdades; fora daí, insânia, insânia e só insânia."

Daniele Almeida.


2 Comentários

  1. Eu gosto muito das obras do Machado de Assis. Suas críticas são perfeitamente elaboradas e nos fazem refletir muito. Muito legal a resenha!

    Rodolfo Ramos
    atributosdeverao.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rodolfo! Escrevo por amor - e acho que, no final, isso é o que faz a diferença. A paixão pela escrita nos motiva a nos superar, sempre.

      Um abraço,
      Daniele.

      Excluir