Pesquisar

Livro: Um Perfeito Cavalheiro
Autor: Julia Quinn
Páginas: 295
Editora: Arqueiro
Classificação: 4/5
Sophie Beckett é uma bastarda que, assim como a Cinderela, perdeu o pai quando jovem e desde então passa seus dias realizando as tarefas de casa e aturando todo o ódio da madrasta e suas duas filhas. Mas, como esperado, tudo muda ao ir ao seu primeiro baile, conhecer o príncipe encantado e então fugir exatamente à meia-noite, pois logo a Madrasta Má estaria em casa.
E é então que toda a semelhança com um conto de fadas termina. Ao invés de deixar o sapatinho de cristal para trás, Sophie perde a luva com o brasão de sua família e quem a encontra enquanto procura por sua bela princesa é Benedict Bridgerton - o solteiro mais cobiçado de toda a cidade. 
Assim como na história que conhecemos, inicia-se uma busca que termina em tragédia: Araminta acaba expulsando Sophie de casa por reconhecer que ela era a bela mascarada, passando-se dois longos anos em que a única coisa boa que acontecera à Sophie é a lembrança vívida daquele último beijo em Benedict. 
Nesse momento ela escutou um som estranho, exótico e retumbante. - O que foi isso?
- Um gongo - respondeu ele. - Para anunciar que é hora de todos tirarem as máscaras.
Sophie sentiu o pânico tomar conta de seu corpo.
- O quê?
- Deve ser meia-noite.
Julia Quinn, é claro, não colocaria nossa misteriosa princesa na história se não tivesse planos para o casal. E é assim que, após tanto tempo, Benedict salva Sophie de uma desgraça ainda maior: ser violentada. O único problema é que ele não a reconhece. E é assim que somos envolvidos por uma dança em que vemos um homem se apaixonar duas vezes pela mesma mulher - no entanto, sem saber dessa feliz coincidência.
Ah! Se Benedict soubesse que sua mascarada estivera todo esse tempo sob seu nariz... 
Amor. Ele amava Sophie. Era tudo o que deveria ter importância. 
Ele achava que tinha amado a mulher do baile de máscaras. Acreditara que queria se casar com ela. Mas entendia agora que aquilo não havia passado de um sonho, uma fantasia fugaz de uma mulher que ele mal conhecia.
Mas Sophie era...
Sophie era Sophie. E isso era tudo o que ele precisava.
Sempre comento que os livros de Julia Quinn lembram-me de histórias que já li ou ouvi em algum lugar. No entanto, ainda assim, consigo ver um elemento novo neles e isso me fascina. Um Perfeito Cavalheiro, assim como os dois livros anteriores, é repleto de humor e romance e momentos que te fazem sorrir. 
Claro que pontas soltas não foram deixadas. Presenciamos um acerto de contas entre Araminta e Sophie, e vemos também quão poderoso é o apoio da família Bridgerton. E, como em todo bom romance, presenciamos um ápice que não é uma infeliz coincidência ou mesmo provocado por desencontros. A única coisa no caminho desse relacionamento é a verdade. A verdade que Sophie insiste em ocultar e que, ainda assim, a persegue.
- Não posso evitar - retrucou ele, dando de ombros. - Simplesmente não consigo deixá-la partir.
Com uma escrita cativantemente bem elaborada, Julia conseguiu montar um romance que agradasse a todos os tipos de pessoa, não importando a idade. Afinal, nós, leitoras "gatas-borralheiras", sonhamos em encontrar alguém que desperte nossa "princesa mascarada" interior. 
Um homem só tinha uma chance de se declarar a seu verdadeiro amor, e ele não queria estragar tudo.

Daniele Almeida.


Deixe um comentário