Pesquisar

Livro: O Diário de Anne Frank
Autor: Otto H. Frank e Mirjam Pressler; escrito por Anne Frank
Páginas: 349
Editora: Record
Classificação: 


Gente, eu me apaixonei. E essa paixão começou pelo meu trabalho de literatura do trimestre, à escolha marcante de um livro que pesaria nas provas e simulado, à ida ao shopping, à visão dele em minhas mãos, ao contato com Anne. Anne Frank. A garota que morreu na guerra, e viveu em nossos corações.
O livro – que na verdade é um diário – conta a história da família Frank em meio ao holocausto, uma guerra liderada por Hitler contra miscigenações: raças que eram tidas como “impuras” por serem mestiças. Os judeus eram assim. Anne também.
Enquanto várias famílias estão sendo capturadas e levadas para campos de concentração, incluindo todos os amigos e vizinhos da família Frank, eles fogem e acabam por se esconder, juntamente com outra família em um Anexo. Lá, dependem da contribuição dos secretários desse lugar, trabalhadores que apoiam judeus em segredo, para que possam ter as coisas necessárias.
É um relato emocionante, marcando bem os princípios da guerra e também tudo aquilo que se passa na mente de adolescentes. Por ter a mesma idade que Anne tinha na época em que o fez, acabei por me identificar com a maior parte e por chorar em sua última carta. 
"Como já disse muitas vezes, sou partida em duas. Um lado contém minha exuberância, minha petulância, minha alegria na vida e, acima de tudo, minha capacidade de apreciar o lado mais leve das coisas. Com isso quero dizer que não acho nada errado nos flertes, num beijo, num abraço, numa piada pesada. Este meu lado costuma ficar à espreita para emboscar o outro, que é mais puro, mais profundo, e melhor. Ninguém conhece o lado melhor de Anne, e é por isso que muita gente não me suporta."
Foram incontáveis as vezes que quis mergulhar naquela época, tornar-me uma refugiada naquele Anexo, e também uma real Kitty. Queria ajudar a menina que usou as palavras como uma poderosa arma, e ajudá-la a passar por todos aqueles distúrbios.

Apesar de sempre estar ouvindo críticas positivas e ter uma enorme curiosidade, nunca realmente havia considerado comprar meu próprio exemplar e desvendar a mente de Anne. Um ‘obrigada’ muito especial à minha professora de português, que além de ser uma fofa, sugere bons livros!


Deixe um comentário